O Laboratório de Estudos Medievais

Foi criado em maio de 2005, a partir de um núcleo de pesquisa na Universidade de São Paulo (USP) e outro na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Hoje, o LEME possui núcleos em outras sete universidades no Sudeste, no Centro-Oeste e no Sul do país: UFMG, UFG, UNIFESP, UFTM, UFFS, UFVJM e UFOP.

O principal objetivo do LEME é reunir pesquisadores na área de História Medieval no Brasil e no exterior, com vistas ao desenvolvimento de pesquisas em rede. Além disso, ele pretende contribuir para o aperfeiçoamento técnico-intelectual de especialistas em História Medieval. Graças a iniciativas de cooperação com universidades e centros de pesquisa estrangeiros, além do apoio de agências de fomento, vários de nossos alunos seguiram seminários, estágios de pesquisa e de formação em paleografia, codicologia e latim medieval.

O LEME também participa, como uma das instituições fundadoras, da Rede Latino-Americana de Estudos Medievais, que congrega medievalistas do Brasil, da Argentina, do Chile, do México e da Costa Rica.

Atividades recentes

01.02.2021
Podcast Estudos Medievais T2E2

No nono episódio do Estudos Medievais, Cláudia Bovo (UFTM) e Néri de Barros Almeida (UNICAMP) discutem a importância do estudo da Idade Média e as mudanças recentes nas visões dos historiadores a respeito desse período. Além disso, as professoras debatem o lugar do ensino de História Medieval na Educação Básica e a contribuição da disciplina para as reflexões sobre o passado e sobre o presente.


18.01.2021
Podcast Estudos Medievais Mundus

No terceiro episódio da série especial Mundus, Adrien Bayard, professor de História e Arqueologia Medievais da Université d’Artois, entrevista Jean-Pierre Devroey, professor de História Medieval da Université Libre de Bruxelles. Tendo em vista o lançamento recente do seu livro La nature et le roi (Paris: Fayard, 2019), o professor Devroey discute a relação entre História e meio-ambiente, as diversas intepretações sobre o impacto dos eventos climáticos sobre as sociedades do passado e aborda os desafios dos historiadores diante da multiplicação de dados da Arqueologia e da Paleoclimatologia. Além disso, ele também explica os métodos utilizados em seu livro recente, que trata da fome e dos eventos climáticos à época carolíngia.​​​​​​​​​​​​​​